SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS

Sinopses anteriores:

23 de outubro de 2014

O Globo


Manchete : CVM investiga Petrobras em meio a escândalos

Órgão vai apurar corrupção descoberta na Operação Lava-Jato

Advogado de Youssef diz que doleiro nega ter feito qualquer negócio com o PSDB e pede acareação com testa de ferro

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) abriu processo administrativo para investigar a Petrobras por causa das denúncias de corrupção surgidas com a Operação Lava-Jato, da PF. O processo foi iniciado após ser noticiado que a estatal já é alvo de investigação semelhante nos Estados Unidos. De acordo com uma fonte da Petrobras, a CVM quer tomar conhecimento de tudo o que ocorreu desde que Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, iniciou delação premiada e contou que havia esquema de pagamento de propina para políticos de PT, PMDB e PP. Caso a CVM comprove as irregularidades, será aberta nova fase da investigação que poderá resultar em punições para a companhia. A estatal não se manifestou. Ontem, o advogado do doleiro Alberto Youssef negou que ele tivesse negócios com políticos do PSDB, como afirmara, em depoimento, Leonardo Meirelles, ex-braço direito do doleiro. (Págs. 3 e 4)

Campanha no fundo do poço

A Articulação do Semiárido Brasileiro, entidade que levou anteontem 99 ônibus de MG, PB e BA para o comício de Dilma em Petrolina (PE), já recebeu R$ 587,3 milhões do próprio governo Dilma em convênios para a construção de cisternas. Em 2014, foram R$ 172,8 milhões. (Pág. 5)

TCU apura ação de órgãos federais na crise da água

Um dia após a Agência de Águas atacar o governo de SP, o TCU anunciou que órgãos federais também têm responsabilidade na crise. (Pág. 6)

No TSE, candidatos fazem pacto de não agressão (Pág. 10)


Governo adia anúncio de arrecadação

O governo só divulgará na próxima semana, ou seja, após as eleições, o resultado da arrecadação de impostos em setembro. Normalmente, o anúncio é feito na terceira semana do mês. Nos últimos meses, as contas fiscais têm se deteriorado. (Pág. 30)

Queda do petróleo ajuda balança

A queda de quase 30% no preço do petróleo, desde junho, dará alívio de US$ 2 bilhões às importações brasileiras. Evitar á, ainda, que a balança comercial tenha déficit este ano. (Pág. 27)

Ilimar Franco

Virando a mesa

A eleição ainda não tem resultado, mas o PMDB já tem um plano de ação. O partido vai formar um bloco para ampliar seu poder. As conversas já existem com PR, PTB, PSC e Solidariedade. Seus líderes antecipam que não irão para a oposição. Mas condicionam o apoio ao governo à execução de políticas públicas em áreas como Saúde, Educação ou Cidades. Eles dizem que não aceitarão ser tratados como são no atual mandato da presidente Dilma. (Pág. 2)

Merval Pereira

Lula tem tido atuação ambígua nesta eleição. (Pág. 4)

Míriam Leitão

Imprensa livre é antídoto contra autoritarismo. (Pág. 28)

------------------------------------------------------------------------------------

Zero Hora


Manchete : Petrobras é alvo de nova investigação

Órgão que fiscaliza o mercado de capitais apura indícios de desvios e possíveis prejuízos a investidores em ações da estatal. (Notícias | 13)

Frente a frente

Debate final em clima de desconstrução do rival. (Notícias | 8 a 12)

Acordo por fim de ofensas

Segundo o TSE, Aécio e Dilma passam a fazer campanha propositiva e desistem de contestações. (Notícias |11)

------------------------------------------------------------------------------------

Brasil Econômico


Manchete : Empresas e ANP brigam por gás não convencional

As petroleiras com operações na Bacia de São Francisco querem mais cinco anos para explorar as áreas, alegando incertezas sobre as regras ambientais. Na primeira avaliação do tema ontem, a ANP negou o aumento de prazo. As empresas já avisaram que vão recorrer. Atualmente, a atividade está suspensa por liminares no Paraná e no Piauí. (Pág. 10)

Bancos mantêm bons resultados

Os números do terceiro trimestre, que começam a ser divulgados pelos bancos brasileiros no próximo dia 30, devem ficar muito próximos aos obtidos entre abril e junho, estimam analistas. (Pág. 18)

Pesquisa confirma empate

Nova pesquisa do Datafolha mostra Dilma Rousseff com 47%, um ponto acima da anterior, e Aécio Neves com 43%. (Págs. 3 a 5)

Indústria derruba serviços

A receita bruta nominal do setor cresceu 4,5% na comparação com igual mês de 2013. Foi o pior resultado da série histórica do IBGE. (Pág. 9)

Tiros alertam Canadá e EUA

Uma série de tiros dentro e fora do parlamento canadense levou os governos da América do Norte a entrarem em estado de alerta, com a suspeita de terrorismo no ataque que matou um soldado. Um atirador foi morto pela polícia. (Pág. 26)

Mosaico Político

Gilberto Nascimento

A VOLTA ÀS RUAS

A presidenta Dilma Rousseff (PT) tem contado com um reforço no segundo turno que surpreendeu até os mais saudosistas e otimistas dirigentes petistas: uma militância voluntária mobilizada para tentar garantir sua reeleição. (Pág. 2)

Ponto de Vista

Carlos Thadeu de Freitas

OS DESAFIOS DE 2015

Independentemente do resultado das eleições no próximo domingo, 2015 será um ano de ajustes. Apesar da disputa acirrada entre dois projetos de dimensões econômicas diferentes para o país, não são esperadas grandes surpresas na condução da política econômica no curto prazo. (Pág. 7)

O mercado como ele é...

Luiz Sérgio Guimarães

DEDO NO GATILHO

O dólar tentou ontem se desvencilhar da corrida eleitoral e reconectar-se aos mercados globais, propensos a assumir mais riscos diante da expectativa de prolongamento das políticas monetárias acomodatícias nos EUA e na Europa. A moeda americana operou em baixa contra o real, seguindo o viés externo, até às 13 horas. (Pág. 20)

Ponto Final

Octávio Costa

FAVORITOS NO SUFOCO

Não é só a disputa pela Presidência da República que está encarniçada neste segundo turno. Também na esfera estadual, observam-se páreos duríssimos, como mostrou arte sobre as últimas pesquisas publicada na edição de ontem do Brasil Econômico. (Pág. 32)

------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo


Manchete : Governo adia divulgação de resultados negativos

Dados de educação e economia, entre outros, só serão conhecidos após eleição

Por decisão do governo Dilma, o país chegará à votação de domingo (26) sem saber os dados mais atualizados do desempenho dos alunos na rede pública de educação e da arrecadação de tributos —resultados potencialmente negativos à campanha da presidente. Também só serão divulgados depois da eleição presidencial, na qual a petista concorre com Aécio Neves (PSDB), números do desmatamento da Amazônia e da pobreza no Brasil. No caso da educação, o resultado de exame nacional geralmente sai até agosto. Nas demais áreas, as informações também eram divulgadas com mais antecedência. Há sinalização de que todos os indicadores mostrarão piora na situação. Avaliações independentes ou informações oficiais publicadas apontam para desempenho pouco animador. As instituições do governo responsáveis pelos dados citaram questões técnicas, administrativas ou legais para justificar a postergação das divulgações das informações. (Eleições 2014 pág. 1)

Para especialistas, expectativa positiva da população não se alinha às perspectivas para a economia. (Pág. 4)

Aécio se diz alvo de ‘atentados’ ; Dilma prioriza jovem e mulher

Aécio Neves usou nesta quarta (22) seu horário na TV para rebater ataques do PT, num “freio de arrumação” na campanha, após o Datafolha indicar queda do tucano em várias faixas do eleitorado. Afirmou ser vítima de “atentados” à sua honra, família e biografia. A petista Dilma Rousseff voltará os últimos dias para buscar votos entre jovens, mulheres e a nova classe média. (Eleições 2014 pág. 3)

Presidente do TSE quer debater com institutos regras para pesquisas (Eleições 2014 pág. 7)


Para FHC, falas de Dilma mostram até onde ambição pode levar alguém (Eleições 2014 pág. 5)


Petista assume dianteira no Ceará, aponta o Datafolha (Eleições 2014 pág. 7)


Deputados aliviam dívidas de desvios de dinheiro público

A Câmara dos Deputados aprovou medida que anistia parte das dívidas de condenados por desvios de recursos públicos. Pelo texto, que passará pelo Senado, as dívidas serão pagas com redução de juros e poderão ser parceladas em até 15 anos. O mecanismo foi incluído por emenda do senador Gim Argello (PTB-DF) na medida provisória do Refis, programa de parcelamento de dívidas tributárias. (Poder a4)

Contardo Calligaris

Não há visões de fato antagônicas nesta eleição

Nesta eleição, não duelam visões realmente antagônicas. O fato de os blocos políticos não terem alvos muito diferentes alimenta uma oposição surda aos argumentos do outro, na qual a adesão leva cada um a abdicar de pensar por conta própria. (Ilustrada E8)

Maria Cristina Frias

Petrobras ameaça suspender envio de gás ao Amazonas

A Petrobras ameaça suspender o fornecimento de gás par a o Amazonas, o que pode deixar Manaus sem energia às vésperas da eleição. A BR Distribuidora cobra solução até amanhã (24) par a dívida de R$ 3 bilhões. (Mercado b2)

Editoriais

Leia “Deseducação”, a respeito de programas de governo nas áreas de ensino e saúde, e “Passivo elétrico”, sobre atraso na construção de usinas. (Opinião A2)

------------------------------------------------------------------------------------