SINOPSES - RESUMO DOS JORNAIS

Sinopses anteriores:

24 de novembro de 2014

O Globo


Manchete : EUA ameaçam com cadeia envolvidos em corrupção

Governo americano aperta cerco a executivos ligados a esquemas ilícitos

Procuradora que investiga casos como o da estatal diz que ‘perspectiva de prisão é muito real’

As autoridades americanas estão empenhadas em prender executivos de empresas estrangeiras envolvidas em escândalos de corrupção e que tenham ativos ou ações em Bolsa nos EUA, caso da Petrobras. O alerta foi dado pela procuradora-geral assistente do Departamento de Justiça, Leslie Caldwell. “Se eles participam de atos de corrupção, terão perspectiva muito real de ir para a prisão”, disse, sem citar uma investigação em particular. Cresceu nos EUA a pressão para que, além de empresas, altos funcionários sejam punidos. Nos últimos cinco anos, 50 pessoas sofreram processos desse tipo, metade delas em 2013. (Pág. 3)

Último foragido da Lava-Jato vai se entregar hoje (Pág. 3)


Congresso pode suspender repasse à Abreu e Lima (Pág. 3)


Funcionários reagem a interferência em fundos

Em reação à ingerência política nos fundos de pensão de estatais, funcionários formaram chapas para eleger conselheiros que fiscalizem a aplicação dos recursos. O movimento começou este ano nos três maiores fundos do país: Previ, Petros e Funcef, que, juntos, gerem cerca de R$ 300 bilhões. (Pág. 4)

Nova equipe econômica - Medidas já estão sendo estudadas (Pág. 19)


Marina criará Rede até março

Ex-senadora diz que sairá do PSB e fará “oposição independente”. (Pág. 5)

Caças suecos - Transferência de tecnologia é incerta (Pág. 17)


Ditaduras se uniram contra montoneros

Documentos detalham como refugiados no Brasil, em especial da guerrilha montonera, foram caçados em parceria com a ditadura argentina, de 1976 a 1980. O coronel Paulo Malhães, morto em abril, cumpriu 14 missões da operação que levou à morte ou ao desaparecimento 14 pessoas. (Pág. 6)

Rio 2016 - Comitê divulga mascotes (Esportes)


Ricardo Noblat

E a grana da Petrobras? As formigas comeram!

Há muitas perguntas sobre o escândalo da Petrobras que suplicam por respostas. A mais óbvia: é possível que Dilma ignorasse o mar de lama capaz de afogar a empresa que ela sempre controlou desde o primeiro governo do presidente Lula? Pois antes de suceder a José Dirceu na chefia da Casa Civil, Dilma foi ministra das Minas e Energia. Presidiu o Conselho de Administração da Petrobras de 2003 a 2010. (Pág. 2)

George Vidor

São do ramo

A crise hídrica no Sudeste e no Nordeste limita o crescimento da economia brasileira em torno de 1,5%. (Pág. 18)

Editorial

Tema em discussão : Política de combate às drogas

Alternativa falida

A opção preferencial por ações policiais, e mesmo militares, falhou em todo o mundo. (Pág. 14)

------------------------------------------------------------------------------------

Zero Hora


Manchete : MPF vai analisar suspeita sobre 448

Indícios de superfaturamento de R$ 91 milhões na rodovia construída por empreiteiras envolvidas na Lava-Jato foram apontados por TCU. (Notícias | 8 e 9)

Setores do PT se opõem a ministeriáveis

Pressão é para que Dilma reavalie nomes como o de Kátia Abreu para Agricultura e de Joaquim Levy para a Fazenda. (Notícias | 22)

Rio-2016 já tem mascotes, só faltam os nomes

Público irá batizar os embaixadores dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. (Caderno Esporte)

------------------------------------------------------------------------------------

Brasil Econômico


Manchete : "Estatais são figurinhas carimbadas no álbum da corrupção"

Com a experiência na análise dos gastos públicos, o economista Gil Castello Branco, da ONG Contas Abertas, sabe exatamente quais informações estão escondidas em números agregados. É o caso das empresas estatais que, por fazerem parte da administração indireta, não são obrigadas a cumprir as regras de transparência impostas aos órgãos diretamente ligados ao governo. O escândalo na Petrobras, afirma, é resultado de uma alquimia que combina um volume incrível de recursos públicos, muita ingerência política e pouca transparência. (Págs. 4 a 7)

Nova equipe esbarra no superávit

Entre a pressão do mercado e a morosidade do Congresso, Dilma Rousseff só deve anunciar a equipe econômica após a votação da alteração da meta de superávit. (Págs. 3 e 22)

Provisão para calote subiu 30% no ano

Três das cinco maiores varejistas do mercado de moda elevaram suas reservas nos primeiros nove meses de 2014. É o efeito, dizem analistas, do aumento do custo do crédito. (Págs. 14 e 15)

Emprego e denúncias no caminho da eleição espanhola

A persistência dos altos índices de desemprego e a explosão de denúncias de corrupção põem a gestão do presidente da Espanha, Mariano Rajoy, em uma encruzilhada política a um ano das eleições. Para especialistas, o país vive a maior crise institucional desde a redemocratização. (Págs. 24 e 25)

Meu Município simplifica acesso a dados públicos

Portal permite que cidadãos e gestores consultem e comparem informações financeiras de seus municípios de forma facilitada. (Pág. 8)

Desembolsos do BNDES caem 1% de janeiro a setembro

Menor desempenho, comparado a igual período de 2013, foi puxado pela indústria. (Pág. 8)

Mosaico Político

Gilberto Nascimento

O SINAL E OS PROTESTOS

Com exceção de Nelson Barbosa, nome preferido para a Fazenda por várias lideranças do PT, nenhum dos nomes divulgados na sexta-feira para o novo ministério da presidenta Dilma Rousseff faria parte de uma lista dos sonhos de militantes petistas. (Pág. 2)

Olhar do Planalto

Sonia Filgueiras

INOVAÇÃO: O DISCURSO E A PRÁTICA

Como se sabe, o aumento da produtividade — aquela que fará a nossa indústria se tornar mais competitiva em relação aos concorrentes internacionais, pode ser alavancada de duas formas: pela mão de obra mais eficiente, ou a partir de novas tecnologias, que tornam a produção mais eficiente. (Pág. 9)

O mercado como ele é...

Luiz Sérgio Guimarães

CONVERSÃO INEVITÁVEL

"Será que Dilma vai mudar de ideia?" Os executivos do mercado financeiro foram para casa na sexta-feira com essa dúvida na cabeça e voltam hoje às suas mesas sem que a inquietação tenha sido resolvida satisfatoriamente no fim de semana. (Pág. 22)

------------------------------------------------------------------------------------

Folha de S. Paulo


Manchete : Empreiteiro deu propina de R$ 5 mi para operador

O pagamento seria entregue à diretoria de serviços da Petrobras, ligada ao PT

Um empresário recolheu propina de R$ 5 milhões, paga pela Galvão Engenharia, dizendo-se representante da diretoria de serviços da Petrobras. O relato foi feito à Polícia Federal pelo presidente da divisão industrial da empreiteira, Erton Fonseca. Fonseca, que está preso, afirmou ter pago o suborno ao empresário Shinko Nakandakari, novo personagem a surgir no escândalo. Ele atuaria ao lado do ex-gerente da Petrobras Pedro Barusco, que já prometeu devolver US$ 9 7 milhões à União. Tanto Barusco quanto Renato Duque, ex-diretor de serviços também preso na Operação Lava Jato, foram indicados para a Petrobras pelo PT — que ficava com 3% dos valores dos contratos dessa área, segundo o ex-diretor Paulo Roberto Costa. Erton Fonseca disse que Nakandakari teve, na diretoria de serviços na gestão de Duque, papel semelhante ao do doleiro Alberto Youssef na diretoria de abastecimento. Duque nega participação no esquema. Nakandakari não foi localizado. (Poder a4)

Perfil ortodoxo gera críticas no PT ao escolhido para a Fazenda

Convidado para a Fazenda, Joaquim Levy coleciona críticas de ministros da presidente Dilma e tem sido alvo de petistas por ter perfil ortodoxo na economia. Atual titular do ministério, Guido Mantega afirmou no governo Lula, em 2006, que Levy, então secretário do Tesouro, tinha uma visão “conservadora, não sintonizada com a política social”. Programas sociais são a principal vitrine dos 12 anos de governos do PT. (Mercado b1)

Entrevista - Alberto Toron : Nas provas, Lava Jato se parece com Guantánamo

Defensor de um empreiteiro preso na Lava Jato, o advogado Alberto Toron diz que Justiça e PF afrontam a lei ao negar acesso a delações premiadas e usar prisões para coagir confissões. Para Toron, a operação lembra o abuso dos EUA em Guantánamo, e o STF legitima “farsa” ao permitir que o juiz Sergio Moro proíba réus de citar políticos acusados de levar propina. (Pág. a13)

Prefeitura de SP vai taxar clubes em área pública

A Prefeitura de São Paulo irá cobrar aluguel ou IPTU de tradicionais clubes paulistanos que não têm mais concessão para ocupar os terrenos públicos onde estão. Os primeiros serão o Esperia e o Círculo Militar. Caso não paguem, os imóveis podem ser retomados pelo município. (Cotidiano C1)

Índios do Pará usarão celulares em árvores para vigiar floresta (Ciência C5)


Excomungado, ex -padre de Bauru questiona o papa

Uma semana após ter sua excomunhão oficializada pelo Vaticano, o ex-padre Roberto Francisco Daniel gravou um vídeo em que questiona o papa Francisco pela punição. Conhecido em Bauru ( SP) como padre Beto, ele foi punido por defender a união gay e questionar dogmas da igreja. (Cotidiano C4)

Especial - Educação é tema da última edição da série ‘O Brasil que dá certo’ (Especial pág. 1)


Valdo Cruz

Planalto prepara argumentos a favor de Levy

A equipe de Dilma dirá, em defesa da escolha de Levy, que ele está hoje mais maduro e consistente, mesmo sendo um economista adepto da ortodoxia, algo considerado uma doença par a petistas. Há tristeza no PT. Mas pior seria insistir nos erros que conduziam à estagflação. (Opinião a2)

Editoriais

Leia “Petrobras em descrédito”, acerca de impacto econômico de escândalo na estatal, e “Criatividade ao extremo”, sobre reação à marcha hitlerista. (Opinião A2)

------------------------------------------------------------------------------------