30/06/2006

Jornal do Brasil
Folha de São Paulo
O Estado de São Paulo
O Globo
Correio Braziliense
Valor Econômico
Estado de Minas
Outros Jornais
Revistas

JORNAL DO BRASIL

- Espetáculo

- Alemanha x Argentina - Duelo de 1 bilhão de espectadores. (pág. 1 e Caderno de Esportes)

- Trabalho - FGTS muda relação - Lei apressa fim do emprego doméstico. (pág. 1 e A17)

- Dorothy Stang - Supremo solta mandante de crime. (pág. 1 e A5)

FOLHA DE SÃO PAULO

- Alckmin sobe; Lula vence no 1º turno

- O candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB) subiu sete pontos percentuais e tem hoje 29% das intenções de voto em todo o país, revela nova pesquisa Datafolha realizada ontem e anteontem. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), candidato à reeleição, oscilou para 46%. Ele tinha 45% em levantamento feito nos dias 23 e 24 de maio. A despeito da reação de Alckmin, Lula continuaria vencendo no primeiro turno se a eleição fosse hoje. O petista teria 54% dos votos válidos (excluídos nulos e brancos) e para que não haja segundo turno, precisará ter ao menos 50% mais um em 1º de outubro. Alckmin tem 35% dos votos válidos. O Datafolha também perguntou aos entrevistados em quem votariam em um eventual segundo turno. Lula venceria por 51% a 40%.

O levantamento mostra que a eleição presidencial continua polarizada entre eleitores de diferentes classes e de maior e menor escolaridade. Há ainda uma polarização regional entre Norte/Nordeste e Sul. Lula tem 52% das intenções de voto entre os eleitores com apenas o ensino fundamental. Alckmin tem 23%. Entre os com ensino superior, o tucano vence por 42% a 31%. Na divisão por classificação econômica, o petista lidera por 54% a 20% entre eleitores das classes D e E. Entre os das classes A e B, Alckmin aparece com 39%. Lula, com 34%. Finalmente, o petista bate Alckmin por 64% a 17% no Nordeste. Mas perde no Sul por 37% a 30%. A maior proximidade entre Lula e Alckmin ocorre no Sudeste, maior colégio eleitoral do país: 39% a 34%. A pesquisa Datafolha concluída ontem foi a primeira feita após a escolha formal dos presidenciáveis. Os candidatos Enéas Carneiro (Prona, 4% em maio) e Roberto Freire (PPS, 2%) desistiram. A reação de Alckmin, que passou de 22% para 29%, coincidiu com uma forte exposição do tucano no rádio e na TV nas inserções do programa partidário do PSDB em junho.

No período, o PT sofreu fortes ataques do PFL. O partido, coligado ao PSDB nessas eleições, usou parte de seu programa na TV para atacar Lula. Em junho, o PSDB teve 20 minutos de programa partidário em cadeia nacional de rádio e TV. Teve ainda cinco dias de pequenas inserções nacionais que somaram 25 minutos. O PFL teve mais 11 minutos em cadeia nacional e 20 minutos em inserções estaduais. Em alguns desses programas, o PFL exibiu desenhos animados (intitulados "Enquanto isso na PTlândia") que bateram diretamente em Lula. No caso do PT, a última grande exposição em rádio e TV ocorreu em 25 de maio -20 minutos de programa. O final de junho também foi marcado por um aumento da temperatura eleitoral. Na convenção nacional do PT, no sábado, Lula atacou o governo FHC (1995-2002). O petista disse que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso levou o país para o "buraco". No domingo, FHC disse que Lula ganha dele "em corrupção". (pág. 1)

- O governo decidiu não apenas contrariar o entendimento do presidente do Tribunal Superior Eleitoral, para o qual estão vedados reajustes salariais para o funcionalismo até as eleições, mas também expandir os benefícios aos servidores para além das previsões iniciais e do total fixado no Orçamento. Hoje serão editadas seis medidas provisórias e um decreto presidencial, que, somados a uma MP editada em maio, atingirão 32 carreiras do Executivo (87% dos servidores) e custarão R$ 5,751 bilhões neste ano e cerca de R$ 11 bilhões em 2007. Até a semana passada, calculava-se que o pacote -com o qual o presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende atender a uma das principais bases políticas do PT- somaria R$ 4,3 bilhões dos R$ 5,1 bilhões destinados no Orçamento deste ano eleitoral para reajustes salariais do funcionalismo. (...) (pág. 1)

- O Fed (Federal Reserve, o BC dos EUA) elevou ontem, pela 17ª vez consecutiva, a taxa de juros norte-americana. Porém, mais importante que o já esperado aumento dos juros de 5% para 5,25% anuais foi o tom mais suave da nota que o Fed emitiu após sua reunião. No comunicado, de seis curtos parágrafos, o comitê de política monetária (Fomc, na sigla em inglês) afirma que "os dados da inflação de base estiveram altos nesses últimos meses". "Os últimos indicadores levam a pensar que o crescimento está se tornando moderado. Mesmo que a moderação do crescimento possa ajudar a limitar as pressões inflacionárias, o comitê estima que persistem alguns riscos de inflação." O tom menos incisivo sobre a inflação teve uma resposta rápida dos mercados globalizados, com as Bolsas subindo com força nos principais centros financeiros. A Bolsa de Valores de São Paulo disparou 4,74%, sua mais expressiva alta em um mês. O real também refletiu a melhora do humor internacional e ganhou terreno. O dólar desceu a seu mais baixo nível em 40 dias, vendido a R$ 2,175 no fim do dia (baixa de 2,07%). O risco-país brasileiro recuou 2,31%, a 254 pontos. (...) (pág. 1)

- Escutas telefônicas obtidas pela polícia de São Paulo revelaram a existência de um plano do PCC (Primeiro Comando da Capital) para matar cinco funcionários da Penitenciária 2 de Presidente Venceslau (620 km de SP), onde estão isolados cerca de 400 líderes da facção. Logo após a descoberta do plano, o Comando Geral da Polícia Militar começou a preparar uma ação para tentar se antecipar ao ataque. O ônibus que transporta os agentes só circula com escolta desde segunda. Desde 11 de maio, um dia antes do início da onda de ataques do PCC contra as forças de segurança, lideranças da facção estão na P2, onde são submetidas a um regime rigoroso: têm direito a uma hora de banho de sol por dia, só recebem visitas dentro das celas e ficam sob a mira constante de armas. (...) (pág. 1)

- O STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou ontem o retorno de Suzane von Richthofen ao presídio e cassou a liminar que lhe havia assegurado o direito de ficar em prisão domiciliar enquanto aguarda o julgamento por tribunal do júri, previsto para 17 de julho. Na noite de ontem, ela foi levada à prisão em Rio Claro (175 km de SP), onde já esteve presa. Por 3 votos contra 1, a 6ª Turma do STJ negou a solicitação de liberdade de Suzane e ordenou a sua volta à prisão. A votação foi o julgamento definitivo do habeas corpus movido pelos advogados, que, de maneira liminar (provisória), havia permitido a saída dela da cadeia, no dia 29 de maio deste ano. O único voto pela revogação da prisão preventiva e concessão de liberdade provisória foi do relator do caso, ministro Nilson Naves, que há um mês havia concedido a liminar que autorizou a prisão domiciliar. (...) (pág. 1)

O ESTADO DE SÃO PAULO

- Lula critica limite da Lei Fiscal

- O presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou ontem a Lei Fiscal e a Lei Eleitoral pelo bloqueio que impõem ao repasse de verbas para prefeituras. "Praticamente todas as prefeituras estão proibidas de receber financiamento porque estão endividadas, então fica a pior situação do mundo: você sabe que a cidade precisa, você tem dinheiro disponibilizado e não pode fazer porque tem um monte de embaralhamento jurídico que não permite", disse Lula.

No caso da Lei Eleitoral, que proíbe repasse de verbas a prefeituras e estados nos meses anteriores a eleições, o período de veto começa amanhã. Ele atribuiu a "paixões partidárias e ideológicas" essa restrição. Lula estava no Palácio dos Bandeirantes, pela primeira vez desde que assumiu a Presidência - nos últimos 11 anos, a sede do governo estadual foi ocupada por integrantes do PSDB. Ele participou de solenidade na qual foi chamado de "grande amigo" pelo governador Cláudio Lembo (PFL) e aclamado por senadores, prefeitos e deputados do PT e do PFL. (pág. 1 e A4)

Frase: "Isso aqui (o Palácio dos Bandeirantes) é mais que uma casa tucana". (Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, pág. 1)

- O aumento dos gastos com a proximidade das eleições fez o governo federal fechar o mês de maio com o menor superávit primário do ano: R$ 2,81 bilhões. Também pesou negativamente o impacto do reajuste do salário mínimo nas contas da Previdência e em outros benefícios. De janeiro a maio, o superávit acumulado está em R$ 32,25 bilhões, o correspondente a 3,99% do PIB, bem abaixo do obtido no mesmo período de 2005 - 4,32% do PIB. Hoje sai o superávit de todo o setor público (que inclui estatais, Estados e municípios). (pág. 1 e B7)

- O Banco Central americano (Fed) elevou em 0,25 ponto percentual a taxa básica do juro e, em comunicado, disse que a economia dos EUA está crescendo de forma mais moderada, o que pode ajudar a limitar as pressões inflacionárias. O mercado interpretou isso como um sinal de que o aspecto monetário pode estar perto do fim e reagiu com euforia. As bolsas fecharam com forte alta e o risco dos emergentes recuou 3,93%, para 220 pontos. A Bovespa fechou em alta de 4,74%. (pág. 1 e B1)

- A cidade de São Paulo será a primeira a ter TV digital no Brasil, no prazo de 6 a 8 meses. A previsão foi feita ontem pelo ministro das Comunicações, Hélio Costa, após cerimônia em que o presidente Lula assinou decreto com as regras de implantação da novidade no País. O decreto estabelece prazo máximo de 18 meses, após a aprovação dos projetos das emissoras, mas já estão sendo feitos testes em São Paulo, o que apressa a adoção do sistema, segundo Costa. (pág. 1 e B14)

- Funcionalismo - Governo edita hoje 7 MPs com reajustes - serão beneficiados 1,7 milhão de servidores, com aumento de até 52%. (pág. 1 e A7)

- Agricultura ameaçada - A renúncia do ministro Roberto Rodrigues priva o governo Lula de uma de suas últimas reservas de credibilidade. Todos os temores quanto ao futuro do setor são justificáveis. (pág. 1 e A3)

- A Polícia Federal prendeu ontem 2 delegados da Polícia Civil, 3 auditores da Receita e outros 11 acusados de participar de um esquema de liberação de mercadorias ilegais no Aeroporto de Viracopos, em Campinas. (pág. 1 e C1)

- Pesquisa mostra que 43,5% dos paulistanos desconhecem a maior autoridade da cidade, o prefeito Gilberto Kassab (PFL). E apenas 19% aprovam sua gestão - José Serra (PSDB) tinha 40,4% em dezembro. (pág. 1 e C6)

- O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que Suzane von Richtofen volte para a cadeia para aguardar o julgamento por envolvimento no assassinato dos pais, em 2002. O júri está marcado para o dia 17. (pág. 1 e C3)

- Reverter o jogo - Sociedade precisa de informação para exigir proteção ambiental. (Washington Novaes, pág. 1 e A2)

- Sociedade - Intelectuais condenam cotas - Documento também se opções ao Estatuto da Igualdade Racial. (pág. 1 e A12)

- Documentos oficiais - Lei pode banir o termo 'homem' - Em designações coletivas seriam usados 'brasileiros' e 'brasileiras'. (pág. 1 e A19)

O GLOBO

- Lula dá aumento pré-eleitoral de até 190% para servidores

- A 94 dias da eleição e contra a resolução do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o governo do presidente Lula anunciou ontem reajustes diferenciados, de 5% a 190%, para 1,7 milhão de servidores públicos civis e militares. O impacto nos orçamentos de 2006 e 2007 será de R$ 16,5 bilhões. O presidente do TSE, Marco Aurélio Mello, entende que os reajustes estão proibidos nos 180 dias que antecedem as eleições.

O governo também antecipou o cumprimento da meta do Bolsa Família - atender a 11,1 milhões de famílias - para junho, por causa das proibições da lei eleitoral. Adversários de Lula na disputa presidencial, Geraldo Alckmin (PSDB) e Cristóvam Buarque (PDT) disseram que as medidas são eleitoreiras, para o Planalto, são legais. (Tereza Cruvinel, pág. 1, 2 e 4)

- O governo concederá incentivos para o consumidor adquirir conversores de TV digital. Lula assinou ontem decreto adotando o padrão japonês com tecnologia do Brasil. (pág. 1, 25 a 27)

- O publicitário Marcos Valério, operador do mensalão, chega para depor na PF em Minas. (pág 1 e 9)

- Aliança - Quatro dias após dizer que nada irá separá-lo do casal Garotinho, o candidato do PMDB ao governo do Rio, Sérgio Cabral, aliou-se a Roberto Jefferson. (pág. 1 e 11)

- O ex-advogado Ilson Escóssia da Veiga, integrante da quadrilha que desviou R$ 600 milhões do INSS e preso desde 1992, morreu ontem aos 68 anos. Não se sabe a causa da morte. Escóssia foi atendido em Bangu com dores no abdome e morreu no Hospital Rocha Fria. (pág. 1 e 12)

- Um grupo de 114 intelectuais, artistas e ativistas do movimento negro levou ao Congresso manifesto criticando os projetos que instituem cotas para negros no ensino e no serviço publico. (pág. 1 e 19)

- O STJ decidiu ontem que Suzane von Richthofen, ré confessa do assassinato dos pais, deve voltar para a cadeia, te o seu julgamento, marcado para 17 de julho. (pág. 1 e 12)

GAZETA MERCANTIL

- Crédito externo em real, um bom negócio

- O International Finance Corporation (IFC), braço de financiamentos ao setor privado do Banco Mundial, e o Banco Europeu de Investimentos (BEI) - banco de fomento ligado à União Européia - estão oferecendo empréstimos em reais a empresas e bancos brasileiros, inclusive aos de menor porte. Até a semana passada, apenas grandes corporações tinham acesso a dinheiro estrangeiro barato e de longo prazo em moeda local, e ainda assim só por meio de emissões no mercado de capitais. Agora, outros bancos podem seguir o exemplo das duas instituições. Ontem, o IFC anunciou a sua segunda operação: R$ 50 milhões por cinco anos, para a Rio Bravo, securitizadora de ativos imobiliários.

O contrato anterior, de R$ 115 milhões, por sete anos, foi fechado com o Banco B BM , na semana passada. O BEI ainda não fechou nenhuma operação, mas tem linhas em reais disponíveis desde o começo deste ano. Segundo Yves Ferreira, responsável pelos negócios do BEI com o Brasil, empresas não-financeiras podem se candidatar às linhas, por prazos de até 25 anos. "Não vamos parar por aqui", diz Xavier Jordan, especialista em empréstimos do IFC. Segundo ele, há de seis a oito bancos médios brasileiros aptos a receber apoio do IFC. No caso de securitizadoras, "há de oito a dez candidatas". Jordan diz que deve emprestar até US$ 200 milhões a bancos de médio porte nos próximos 12 meses. (pág. 1 e B-1)

- O presidente Lula defendeu ontem o aumento do teto de endividamento das prefeituras para que possam tomar emprestado o "dinheiro que está sobrando" na CEF e no BNDES. (pág. 1 e A-8)

- A partir da próxima segunda-feira começa a vigorar a nova Taxa de Juros de Longo Prazo TJLP) de 7,50%. Na avaliação do ministro da Fazenda, Guido Mantega, diante do atual ciclo de crescimento econômico, é importante estimular os investimentos. A redução foi aprovada ontem pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que também decidiu repetir para 2008 a meta de inflação de 4,5%, praticada neste ano e em 2007. Muito embora tenha gostado da decisão, Sérgio Werlang, ex-diretor de Política Monetária do BC, afirma que se perdeu a oportunidade de aprimorar o sistema de metas. (pág. 1 e A-6)

- As emissoras de TV aberta comemoraram o decreto instituindo o Sistema Brasileiro de Televisão Digital, que terá como base o padrão japonês. Não está prevista a construção de uma fábrica de semicondutores, como queria o governo brasileiro. (pág. 1 e C-1)

- A Justiça espera parecer do inistério Público e da consultoria elloite para decidir se autoriza a venda da Varig à Varig Log, controlada pela Volo do Brasil. O interessado entregou ontem a proposta detalhada para aquisição da companhia aérea. (pág. 1 e A-7)

- A Petrobras e a YPFB, estatal boliviana, começaram ontem a negociar um aumento no preço do gás natural fora do reajuste previsto em contrato. A Bolívia quer estabelecer uma base de negociação de US$ 7,5 por milhão de BTUs, o dobro do pago hoje, mas a Petrobras anunciou que vai manter a posição de só ter reajuste dentro do contrato. (pág. 1)

- Num momento em que companhias brasileiras anunciam a compra de novos aviões do exterior, o BNDES lança linha de crédito para incentivar essas empresas a comprar aviões da Embraer. Para isso, o banco conta também com o recuo da Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), de 8,15% para 7,5%, anunciado ontem. (pág. 1 e C-5)

- Minas Gerais é o primeiro estado a quitar todos os precatórios trabalhistas. Cerca de 20 mil trabalhadores, que esperavam há mais de dez anos pelo pagamento, receberam um total de R$ 300 milhões. A quitação somente foi possível graças à iniciativa inédita da Justiça do Trabalho mineira, que em 2000 criou um departamento para cuidar dos precatórios trabalhistas, conceito jurídico dado às indenizações de responsabilidade do poder público. (pág. 1 e A-11)

CORREIO BRAZILIENSE

- Reajuste do servidor varia de 2,6% a 190%

- Aumento beneficia 1,5 milhão de funcionários. Tabela mostra percentual concedido a cada categoria. Somente hoje deve sair a definição sobre o índice que será dado aos policiais civis do DF, ainda em greve. (pág. 1, 13 e 23)

- Candidato à reeleição, Lula aparece com 37% das intenções de voto. Alckmin tem 26%. É o que mostra a primeira pesquisa do instituto CB-Data sobre como o eleitor do Distrito Federal vota para presidente da República. Disputando votos do mesmo eleitorado de Lula, Heloísa Helena alcançou 11% e Cristovam 9%. (pág. 1 e 2)

- O governo federal abrirá 100 mil vagas em universidades federais e centros de educação tecnológica até 2007. Os alunos farão parte de um programa de ensino a distância, com diploma idêntico ao de cursos convencionais. (pág. 1 e 10)

VALOR ECONÔMICO

- Liberalização do câmbio sai, mas deve ser parcial

- O governo deverá optar por flexibilizar a cobertura cambial e não simplesmente eliminar a exigência do exportador trazer para o país, em até 210 dias, os dólares de suas vendas ao exterior, conforme determinação criada pelo decreto nº 23.258 de 1933. Embora ainda considere a hipótese de acabar com a cobertura cambial, a alternativa mais cotada hoje é a de permitir que o exportador possa deixar no exterior cerca de 30% ou 40% dos dólares recebidos e internalizar a parcela restante. A tendência é dar ao Conselho Monetário Nacional a atribuição para definir os percentuais e poder, também, suspender qualquer das mudanças caso sejam percebidas como geradoras de instabilidade cambial. Além da mudança na regra da cobertura cambial e da permissão para a compensação privada entre residentes e não residentes, hoje proibida, a medida provisória que deverá ser editada nas próximas semanas, conforme adiantou o ministro da Fazenda, Guido Mantega, permitirá que as empresas usem de suas disponibilidades de recursos no exterior para fazer pagamentos diversos (a fornecedores e clientes, entre outros). O pacote de liberalização cambial, porém, é mais complicado do que parece. Um dos problemas ainda sem solução é o da substituição dos Adiantamentos de Contrato de Câmbio (ACC) - financiamentos à exportação garantidos por um contrato de câmbio. Se o exportador puder receber seu dinheiro lá fora, ele não terá contrato de câmbio para dar em garantia ao financiador do ACC aqui. Hoje nem Fazenda nem Banco Central têm clareza do que irão colocar no lugar. Outra questão é a perda de receita com impostos. Convidado a participar das discussões mais recentemente, a Receita alertou para a perda de arrecadação que as medidas poderão gerar com a CPMF, o Imposto de Renda e o Pis/Cofins sobre importações de diversos serviços, já que o fato gerador do tributo, com os pagamentos feitos no exterior, deixa de existir. (pág. 1 e A2)

- A economia brasileira não sustentou no segundo trimestre o mesmo ritmo forte de crescimento registrado nos primeiros três meses do ano. Nas contas dos economistas, o ritmo de abril a junho desacelerou para perto de 1%, abaixo do 1,4% registrado pelo Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre em relação ao final de 2005. Depois da estabilidade em abril, a indústria voltou a crescer em maio, mas junho foi impactado pela paralisação da produção nos dias de jogo do Brasil na Copa do Mundo, pela greve dos funcionários da Receita Federal e pelo aumento das importações. O setor de distribuição de aços planos estima que houve uma queda de 7% na entrega de material durante o período de abril a junho na comparação com os três meses anteriores. Dados preliminares indicam que a expedição de papelão ondulado, em junho, ficou no mesmo nível do ano passado e 5% abaixo de maio. O pólo industrial de Manaus calcula que o faturamento de junho será 10% inferior ao esperado, por causa da greve dos fiscais da Receita Federal. (pág. 1 e A4)

- O banco central dos Estados Unidos (Fed) anunciou uma alta de 0,25 ponto percentual na taxa de juros básica do país ontem e, ao mesmo tempo, deu um grande alívio aos mercados ao abrir a perspectiva de que o ciclo de alta dos juros pode estar perto do fim. As bolsas de valores nos Estados Unidos, Europa, Ásia e em quase toda a América Latina subiram fortemente. O mercado de ações brasileiro teve sua maior valorização desde 25 de maio, com o índice Bovespa fechando a 36.486 pontos, alta de 4,74%, voltando aos níveis de 6 de junho. O dólar fechou a R$ 2,1750, em queda de 2,07%. O risco-país fechou em 246 pontos, queda de 5,38%. No mercado futuro de juros, o DI com vencimento em janeiro de 2008, o contrato mais negociado, ficou em 15,27%, baixa de 0,19 ponto. (pág. 1, C1 e C2)

- Estados Unidos, União Européia, Japão e Austrália aumentaram a pressão para que Brasil e Índia limitem a 15% a tarifa máxima de importação de bens industriais e de consumo, colocando mais combustível na explosiva negociação para liberalizar o comércio global. A resposta dos dois países, ontem, em reunião dos países do G-6 na Organização Mundial do Comércio (OMC), foi "não". Em vez de posições mais flexíveis, aumentaram as divergência entre os principais países exportadores e importadores, reunidos para tentar desbloquear a Rodada Doha. "O fosso ampliou-se", disse o ministro das Relações Exteriores do Brasil, Celso Amorim. "Os elementos para um acordo não estão aqui". (pág. 1 e A3)

- O Conselho Monetário Nacional (CMN) reduziu ontem a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP) de 8,15% para 7,5% ao ano - a mais baixa desde sua criação, em 1995 -, com vigência no terceiro trimestre do ano. (pág. 1 e C2)

- Leilão de campos maduros da ANP atrai estreantes no setor de exploração de petróleo, principalmente prestadoras de serviços à Petrobras. Todas as 14 áreas licitadas ontem ficam em terra. (pág. 1 e B10)

- Termina hoje o prazo para apresentação de sugestões à proposta que altera a Instrução 409 da CVM, que regula dos fundos de investimento. O texto, polêmico, limita aplicações em títulos privados. (pág. 1 e D1)

- O grupo Bertin, segundo maior exportador de carne bovina do país, negocia a compra do frigorífico Canelones, no Uruguai. O negócio mostra o avanço da internacionalização do setor de carne bovina do país, iniciado no ano passado com a aquisição do Swift Armour, na Argentina, pelo Friboi. Com a aquisição do Canelones, o quinto no ranking uruguaio dos exportadores de carne bovina, o Bertin poderá vender cortes in natura para os EUA. Atualmente, o Brasil vende apenas carne industrializada aos americanos, por causa de restrições sanitárias. Outra vantagem de uma unidade no Uruguai é que, se o Brasil for proibido de exportar por razões sanitárias, o Bertin poderá exportar a partir do país vizinho. (pág. 1 e B14)

- As três concessionárias de telefonia fixa - Brasil Telecom, Telemar e Telefônica - planejam lançar, até o fim do ano, serviços de vídeo em banda larga, conhecidos pela sigla em inglês IPTV. Com a tecnologia, as telefônicas planejam reagir à escolha do padrão japonês de TV digital, anunciada ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As operadoras preferiam o sistema europeu. A Telefônica vai além. A companhia planeja entrar no segmento de televisão via satélite, hoje dominado pela Sky. A vantagem é que, nesse mercado, não há restrições ao capital estrangeiro. O tom político dominou o anúncio de ontem. Em seu discurso, cheio de improvisos, Lula aproveitou para criticar o governo FHC. (pág. 1, B2 e B3)

- Aceleração da formação de capital é única garantia contra riscos inflacionários incontornáveis. (Luciano Coutinho, pág. 1 e A13)

- Cláusula de barreira e verticalização produzem efeito disparatado no quadro partidário. (Maria C. Fernandes, pág. 1 e A9)

- Falta maturidade nas políticas educacionais. (Eduardo Andrade, pág. 1 e A12)

- A Polícia Federal prendeu ontem os donos da Sundown sob acusação de fraude na importação de peças para motos e bicicletas. A Brasil & Movimento, que quer abrir no capital, negou envolvimento no caso. (pág. 1 e B9)

OUTROS JORNAIS

ZERO HORA

- Projeto da Aracruz beneficia pelo menos 30 municípios

- Com a construção da nova unidade gaúcha da Aracruz Celulose, confirmada ontem, por meio da assinatura de um protocolo de intenções entre executivos da empresa e o governador Germano Rigotto, o Rio Grande do Sul se consolida como um novo pólo industrial de base florestal do país. Terceiro projeto do setor de celulose anunciado para o Estado em dois anos, a fábrica, que deve começar a operar entre 2010 e 2015, exigirá uma área de plantio de 100 mil hectares, ampliando de 21 para 30 os municípios gaúchos integrados à base florestal da empresa. Do total de hectares estimados, pelo menos 30% serão parcerias com pequenos produtores. (pág. 4 e 5)

- A partir de janeiro de 2007, um dos críticos mais ferrenhos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva estará deixando o Congresso. Deputado federal desde 1979, Roberto Freire (PPS-PE) decidiu abandonar o parlamento. Pernambucano de sotaque forte, Freire justifica sua decisão com uma única palavra: constrangimento. Uma das principais críticas de Freire é a falta de punição a parlamentares acusados de envolvimento no mensalão. Como presidente nacional do PPS, Freire garante não ter encerrado a vida política. O deputado trabalha na campanha de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência, e será suplente do ex-governador Jarbas Vasconcelos (PMDB) ao Senado por Pernambuco. (pág. 14)

- À frente dos dois postulantes a vice indicados pelo PTB, o governador Germano Rigotto disse ontem que a escolha entre o vereador da Capital Elói Guimarães e a ex-vereadora Sônia Santos "não irá nos dividir". Em discurso de 40 minutos na convenção estadual do PMDB, na qual foi sagrado candidato à reeleição, o peemedebista evitou acirrar os ânimos. (pág. 11)

- Pequenas empresas que até então estavam fora do limite de isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) podem contar com o benefício já a partir de amanhã. Isso porque o governador Germano Rigotto assina hoje o decreto que regulamenta a lei do Simples gaúcho, novo modelo tributário que amplia a faixa das microempresas - e da isenção do tributo - de R$ 107 mil de faturamento anual para R$ 240 mil, conforme já divulgado pelo Executivo. (pág. 24)

- A jornada do aposentado José Antônio Lia, 74 anos, para conseguir a aposentadoria da mulher, Léia Maria, 64 anos, completa hoje 197 dias de telefonemas infrutíferos, promessas não-cumpridas e desejo frustrado. Desde 15 de dezembro, quando entregou a documentação no posto do bairro IAPI, em Porto Alegre, ele insiste na busca por uma resposta do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) ao pedido. (pág. 40)

JORNAL DO COMMERCIO

- TV digital entrará aos poucos no Brasil

- Acabou a novela. Amanhã está previsto o anúncio do padrão da TV digital no Brasil. E ganharam os que apostaram no ISDB, o chamado padrão japonês, que, de acordo com o ministro Hélio Costa, foi o que melhor atendeu às exigências técnicas do governo federal. Os boatos se espalharam desde a última sexta-feira, mas somente na noite da última segunda é que veio a confirmação oficial da solenidade. Também foi confirmada a presença do ministro das comunicações do Japão, que virá assinar o protocolo de intenções de cooperação tecnológica. As mudanças, além de melhorias na imagem e som das transmissões de TV, passam por internet na televisão e televisão pelo celular e até em ônibus. As emissoras de TV agradecem. Com a escolha do padrão japonês, além de terem ganho muito em presença, ainda eliminaram o perigo da concorrência que outros padrões ofereciam. (Economia, pág. 1)

- O governo decidiu não apenas contrariar o entendimento do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Marco Aurélio de Mello - para o qual estão vedados reajustes salariais para o funcionalismo até as eleições -, mas também expandir os benefícios aos servidores para além das previsões iniciais e do total fixado no Orçamento. Hoje serão editadas seis medidas provisórias e um decreto presidencial, que, somados a uma MP editada em maio, atingirão 32 carreiras do Executivo (87% dos servidores) e custarão R$ 5,751 bilhões neste ano e cerca de R$ 11 bilhões em 2007. (...) (pág. 1)

ATENÇÃO

Prezado (a) Leitor (a), A partir do dia 03/07/06, a Sinopse - Resumo dos Jornais estará disponível no endereço do Banco de Notícias da Radiobras: http://clipping.radiobras.gov.br/novo/, no item Sinopses e Clippings.